7 de November, 2014

Poucas brasileiras estão entre as empresas que mais investem em P&D

Para inovar, as empresas notadamente precisam investir em P&D (pesquisa e desenvolvimento). Isso todos sabem. Mas parece que os empreendedores brasileiros ainda esperam por uma solução mágica, algo que ainda não descobriram.

Infelizmente, ano após ano, vários rankings que tentam comparar empresas inovadoras mostram raros casos de companhias brasileiras que inovam. O assunto está em pauta há algum tempo no país, mas os resultados práticos continuam pífios.

Os empresários brasileiros reclamam, e com razão, da falta de apoio, suporte, carga tributária alta. Mas poucos de fato encaram a inovação de maneira estratégica, ou algo culturalmente enraizado e disseminado em suas organizações.

O assunto já é debatido inclusive nos corredores das empresas, mas, quando todos voltam às suas atividades diárias, o compromisso é cumprir as metas de hoje. E o problema maior é observar a falta de motivação de gente jovem que tinha tudo para mudar esse cenário.

Eu tenho conversado com muitos executivos e executivas, ex-alunos meus de MBA, e noto um certo desânimo quanto à carreira no mundo corporativo. Poucos estão satisfeitos em trilhar o caminho do empreendedorismo corporativo.

A maioria diz querer montar o próprio negócio. Aí eu pergunto: por quê? As respostas são muito parecidas: burocracia em excesso, regras, pouca autonomia, entre outros. Mas um papel importante desses jovens executivos seria propor soluções inovadoras para os problemas.

Muitos estão desistindo da carreira corporativa e tornando-se donos de negócios que são pouco inovadores. Há o risco de se envolver com atividades que trazem pouco diferencial ao mercado e o fracasso pode ocorrer rapidamente.

E isso parece ser cultural. É passado o momento de o brasileiro quebrar estereótipos. E um deles é o de ser criativo. Não adianta ser criativo e pouco inovador. Isso (a falta de inovação) está ocorrendo em grandes empresas nacionais e também nas pequenas.

Ou mudamos nosso comportamento e visão de futuro para os negócios, sejam próprios ou não, ou continuaremos a ficar na lanterna dos rankings mundiais.

O mais recente ranking divulgado, elaborado pela consultoria Strategy&, mostra as 1.000 empresas de capital aberto que mais investem em P&D. E menos de 10 empresas brasileiras estão listadas. É pouco para um país empreendedor e da pujança do Brasil.

Este texto foi originalmente publicado no site UOL Empreendedorismo.

Categorias: [ Estratégia ] [ Inovação. ] [ Negócios ]

1 Comentário

  1. marta - 17 de January, 2015 @ 11:08 pm

    terminei a faculdade a pouco tempo e pretendo ter o meu próprio negócio e vejo a necessidade de se inovar, criar o que já existe, e pensando nisso , me veio um certo desânimo, pois não tenho como uma aventura, mas o principal fator negativo é o capital de giro, que nem sempre estar a nosso favor numa empresa recém aberta.

Comentário

Dr. José Dornelas

Empreendedor, palestrante e autor de livros best-seller.

[ veja a biografia ]

Meus Livros

Clique em cada livro para saber mais, degustar e comprar.

  • Empreendedorismo - 7ª Edição Revista e Ampliada Empreendedorismo - 7ª edição
    Transformando ideias em negócios. [+]
  • Plano de negócios com o modelo Canvas Introdução ao empreende- dorismo - 1ª edição
    Ludismo, jogos e empoderamento empreendedor. [+]
  • Plano de negócios, seu guia definitivo Plano de negócios, seu guia definitivo - 2ª edição
    Como planejar e criar um negócio de sucesso. [+]
  • Plano de negócios com o modelo Canvas Plano de negócios com o modelo Canvas
    Guia prático de avaliação de ideias a partir de exemplos. [+]
  • Empreendedorismo na Prática Empreendedorismo na prática - 3ª edição
    Mitos e verdades do empreendedor de sucesso. [+]
  • Empreendedorismo corporativoEmpreendedorismo corporativo - 3ª edição
    Como ser empreendedor, inovar e se diferenciar na sua empresa. [+]
  • Meus Outros Livros
Produzido por Webcore