1 de November, 2016

Cuidado ao contratar funcionários com salários mais baixos

Em tempos de crise, o empreendedor busca minimizar ao máximo os custos de sua empresa, cortando gastos de toda natureza. Uma estratégia comum nesse sentido é a demissão de funcionários e a contratação de novos empregados com salários mais baixos.

O que aparentemente parece normal, pois em crise não se questiona muito as decisões justamente pelo fato de todos estarem em busca de oportunidades de trabalho com mais estabilidade aparente, na verdade mostra-se um equívoco perigoso.

Uma pesquisa realizada por Jason L. Brown e Patrick R. Martin da Universidade de Indiana mostrou que quem está sendo contratado fica frustrado ao saber que seu salário é menor que o de outros colegas mais antigos de empresa com a mesma função.

Além disso, constatou ainda que os empregados mais antigos também ficaram menos motivados para realizar suas funções.

Com isso, a estratégia de cortar custos reduzindo salários dos novos contratados, que a maioria dos empreendedores emprega em tempos de crise, pode se mostrar extremamente equivocada para a longevidade da empresa.

Isso porque, segundo os pesquisadores, esses salários mais baixos não levam à melhoria da lucratividade da empresa, uma vez que a decisão de contratar novos trabalhadores com salários mais baixos faz com que ambos, trabalhadores novos e atuais, se esforcem menos.

Eles alegam ainda que a contratação de trabalhadores com salários mais baixos diminui consideravelmente o bem-estar social e, desta forma, deteriora o ambiente de trabalho, gerando consequências danosas para a empresa.

Estas consequências não intencionais sugerem que as empresas devem considerar de maneira mais criteriosa os eventuais ganhos com cortes salariais ao decidir se desejam substituir alguns trabalhadores com novos trabalhadores ganhando salários mais baixos.

Uma alternativa que alguns empreendedores têm empregado justamente para evitar penalizar tanto os empregados atuais como os novos é uma parceria ganha-ganha pelo compromisso com os resultados do negócio.

Quando o empreendedor propõe retribuir pelo esforço dos funcionários com a participação nos lucros futuros, mesmo que o salário fixo seja menor que o praticado há algum tempo, pode-se criar um ambiente de trabalho produtivo e propenso à superação da crise.

Aos empreendedores que não dividem o bolo e aos muitos funcionários que buscam estabilidade e não gostam de arriscar, fica o recado. Será que não vale a pena aderir a um novo modelo de contrato empregador-empregado, que cada vez mais tem se tornado a prática vigente?

Categorias: [ Comportamento ] [ Geral ] [ Negócios ]

Comentário

Dr. José Dornelas

Empreendedor, palestrante e autor de livros best-seller.

[ veja a biografia ]

Meus Livros

Clique em cada livro para saber mais, degustar e comprar.

  • Empreendedorismo - 6ª Edição Revista e Ampliada Empreendedorismo - 6ª Edição
    Transformando ideias em negócios. [+]
  • Plano de negócios, seu guia definitivo Plano de negócios, seu guia definitivo - 2ª edição
    Como planejar e criar um negócio de sucesso. [+]
  • Plano de negócios com o modelo Canvas Plano de negócios com o modelo Canvas
    Guia prático de avaliação de ideias a partir de exemplos. [+]
  • Empreendedorimos para Visionários Empreendedorismo para visionários
    Crie negócios inovadores para um mundo em transformação. [+]
  • Plano de negócios exemplos práticosPlano de negócios, exemplos práticos
    Desenvolva planos de negócios a partir de exemplos. [+]
  • Empreendedorismo na Prática Empreendedorismo na prática - 3ª edição
    Mitos e verdades do empreendedor de sucesso. [+]
  • Empreendedorismo corporativoEmpreendedorismo corporativo - 3ª ed.
    Como ser empreendedor, inovar e se diferenciar na sua empresa. [+]
  • Criação de Novos Negócios Criação de novos negócios - 2ª Edição
    Empreendedorismo para o século 21. [+]
  • Meus Outros Livros
Produzido por Webcore