1 de October, 2013

Caso 4 – Frooty – Dilema 3 – Livro Empreendedorismo

Marcelo acredita que se tivesse tido uma experiência prévia como empregado em uma grande empresa a sua fase inicial como empreendedor teria sido menos difícil. O que você pensa a respeito: o jovem recém formado deve primeiro trabalhar como empregado, adquirir experiência e depois criar o próprio negócio (se esse for o seu desejo) ou pode/deve criar o próprio negócio mesmo sem essa experiência prévia? Quais os prós e contras de cada decisão?

24 Comentários

  1. Fabbio P N Santos - 20 de March, 2014 @ 8:59 pm

    Uma experiência prévia em uma empresa ,para uma pessoa recém formada ė essencial para se conhecer como funciona uma empresa , podendo ter uma visão do todos e de diferentes áreas, a interdependência de cada uma destas áreas, o quão competitivo ė mercado de trabalho e qual ė a estrutura necessárias e dificuldades que se tem todos os meses para se manter uma empresa aberta, além disso o aprendizado ė maior podendo ser tudo isso depois de um tempo de experiência, se a vontade e a certeza de abrir um negócio próprio estiver cada dia mais crescendo e a vontade de empreender e ideia a ser tornada ação viável e rentável, acredito que será mais fácil do que abrir um negocio diretamente quando se forma na universidade.

  2. Rodrigo Rossi - 20 de March, 2014 @ 9:33 pm

    Ao meu ver, se Marcelo tivesse tido alguma experiência prévia, isso o teria ajudado.
    Porém não vejo como cem por cento necessário.
    A experiência ajuda a cometer menos erros, a ter uma visão de mercado mais ampla possibilitando ao empreendedor enxergar oportunidades que talvés alguem sem a mesma experiência não visse.

  3. Eduardo Silva Cabral (MBA USP) - 20 de March, 2014 @ 10:08 pm

    Acredito que todo projeto empreendedor apresenta muito mais dificuldades durante a fase inicial de implantação. Se o empreendedor analisa a oportunidade a partir de uma ideia e identifica um potencial para essa ideia, é obvio que essa deve ser colocada em pratica. Não acredito que nesse caso a sua experiência com o mercado de atuação seja fundamental para o sucesso. Esperar uma nova janela de oportunidade pode ser fatal para o negócio. É claro, que caso o empreendedor não apresente o conhecimento necessário para atingir os objetivos de seu empreendimento, seu planejamento e sua equipe deverão suprir essa lacuna de forma eficiente.

  4. Ana Paula D'Avoglio [MBA-USP] - 21 de March, 2014 @ 12:44 pm

    Acredito que toda experiência é válida, porém muitas vezes depois que você entra no mundo corporativo pode ser mais difícil a decisão de sair e criar o próprio negócio.
    As vantagens de trabalhar como empregado é que é possível conhecer muitas pessoas, entender como as empresas já consolidadas funcionam, saber as dificuldades que aparecem, entender que a toda hora temos que estar preparados para mudanças etc. Já as desvantagem é que dependendo do emprego, você acaba deixando de lado seus sonhos para conseguir atender todas as demandas da empresas e muitas vezes acaba não se realizando por fazer algo que não te satisfaz por completo.
    Acredito que seja possível um jovem iniciar seu próprio negócio desde que ele saiba o que não sabe, ou seja, ele deve saber suas fraquezas para se aprimorar e buscar uma equipe que agregue valor. O negócio é que o empreendedor sempre deve se atualizar, o mercado muda com uma frequência cada vez maior e todos devem estar preparados para isso.

  5. Luiz Cláudio F. de Oliveira - 21 de March, 2014 @ 4:25 pm

    No meu ponto de vista, uma experiencia prévia é muito bem vinda pois mostrara como o mercado se comporta, independente da área escolhida, agregando experiência, networking e possivelmente uma reserva financeira.

    Luiz Claudio Ferreira de Oliveira
    PECE/USP

  6. Monique B. N. Verga - MBA USP - 21 de March, 2014 @ 9:37 pm

    3. No meu ponto de vista, a experiência é um fator crítico no sucesso do empreendedor. Pode-se economizar recursos (mão-de-obra, tempo, dinheiro, etc) quando já possui experiência e conhecimento para lidar com algumas situações. Acredito que um jovem recém-formado precisa adquirir maturidade profissional e pessoal antes de se aventurar em um negócio. Tenho este ponto de vista também, por ter um perfil conservador. Mas acredito que tudo está relacionado ao tamanho do risco e que coragem é um fator importante para empreender. Neste caso, o jovem tende a ter muito mais coragem e menos a perder (menor risco) em relação um profissional mais maduro e mais experiente.

  7. Pablo Barbosa - 22 de March, 2014 @ 10:02 am

    Acredito que hoje é muito difícil falar se a primeira experiência dele fosse como empregado antes de empreendedor seu sucesso seria maior. Existem muitos profissionais no mercado que tem muita experiência, porem sem objetivo de se tornar um empreendedor, existe pessoas que com o objetivo de se tornar um empreendedor se preparou academicamente para aumentar sua chance de obter sucesso. Experiência é muito importante, porem um preparo acadêmico tem o mesmo peso, podemos dizer que seria o equilíbrio dos dois para chegar ao sucesso.
    Referente a prós e contras, conforme conceitos da matéria cursada nesse módulo, comenta-se muito em planejamento e plano de negócio. Antes de planejar sua carreira profissional, precisa planejar sua perspectiva de vida, caso sua opção seja se tornar um empreendedor prepara-se para isso, caso contrário, tornar-se um bom empregado. No meio da trajetória, as opções ou opiniões podem mudar, porem com o decorrer das mudanças e na medido do possível, sempre se planejar e obter foco.

  8. Guilherme Simas - 22 de March, 2014 @ 10:17 am

    Ter experiência prévia no negócio e de negócio ajuda muito a tomar menos decisões erradas e a se planejar melhor. Estes fatores, segundo o Marcelo, foram pontos fracos da sua jornada como empreendedor.
    Creio que sem conhecimento não se vai muito longe. Sou adepto incondicional do conhecimento técnico e se por ventura este conhecimento não for tão necessário logo no início, será no futuro próximo.
    Jovens que empreendem sem conhecimento em gestão possuem o combustível da inconsequência. Como não tem muito a perder, não têm medo de fracassar, o que muitas vezes inibe o empreendedor mais experiente. Por outro lado, estes jovens terão que possuir conhecimentos técnicos para que seus negócios não quebrem, ou para que possam expandi-los.

  9. Livia Rosso Siqueira - 14 de April, 2014 @ 4:38 pm

    Sonhar menos, calcular mais, analisar friamente o negócio, nao envolvendo emoções e ansiedades ajuda ao negócio prosperar com maior amplitude.
    Em qualquer empreendimento o foco e a concentração na meta final ajudam ao sucesso final dos acontecimentos.

  10. Daniel Gonzalez - 5 de March, 2015 @ 11:10 pm

    Algumas das vantagens de iniciar a carreira com uma experiência previa de empregado, e poder intender o ponto de vista do empregado, e aprender como funciona o gerenciamento de uma empresa já consolidada. Porém, existem características negativas da empresa que podem ser incorporadas no novo negócio, como excesso de burocracia interna.
    “Daniel Gonzalez”

  11. Ricardo Marques Pimenta - 8 de March, 2015 @ 8:31 pm

    Certamente se Marcelo tivesse encarado o Mercado de Trabalho desde cedo, estaria muito mais preparado para enfrentar maiores desafios. Porém, também vale lembrar, que vivenciando todas as dificuldades que há na prática, ele poderia não ter criado coragem para abrir o próprio negócio.

  12. Marcos Cesar de Oliveira Melo (MBA Poli-USP) - 11 de March, 2015 @ 12:09 am

    Ao se envolver no mundo dos negócios, especialmente no tocante à gestão e desenvolvimento de produtos e serviços, Marcelo teria conhecido as dificuldades de se obter produtos com qualidade e prazo desejado, além de atender às necessidades de seu público alvo. Questões como planejamento, requisitos, prazos, custos, com certeza não soariam como algo novo e o processo em sua empresa seria menos empírico do que foi na realidade. Sem dúvida, Marcelo é um caso de sucesso, porém é raro jovens sem preparo se aventurarem em mercados cada vez mais competitivos e obterem o sucesso almejado.

  13. Emerson Gibim - 47670 - 13 de March, 2015 @ 8:26 pm

    Acredito ser importante ter alguma experiência no ramo, mas em alguns casos, principalmente o de tecnologia e internet, essa necessidade se torna menos relevante. Há vários casos de jovens que nunca trabalharam e desenvolveram algum aplicativo que se tornaram um sucesso no mercado. O próprio exemplo do Marcelo mostra isso, tendo na combinação de fatores como a iniciativa do pai, a ideia do creme de açaí, a sua visão do negócio, a criação da marca, e principalmente sua perseverança e vontade de vencer, levaram ele ao sucesso. Talvez se ele tivesse partido para iniciar uma carreira primeiramente em uma empresa, estaria hoje nesta empresa e talvez em um bom cargo, mais provavelmente não teria criado a Frooty, pois o momento já seria outro.

    Os prós de se ter uma carreira antes, é que você terá provavelmente um bom conhecimento do mercado, contudo pode ser que você se acomode com sua posição e estabilidade e não queira partir para um empreendimento a menos que tenha planejado.

  14. Stefano Gatti W. A. Lima - 14 de March, 2015 @ 12:05 am

    Entendo que para uma pessoa tenha funcionários abaixo dela, ela deveria ter sido subordinado a alguém antes, para ela entender como é a relação quando ela recebe ordens e tem metas estabelecidas pelo seu chefe, quais são os desafios na tomada de decisão de seu superior, sem contar o fato de a pessoa poder analisar toda a estrutura da empresa antes de ter a sua. Com essa experiência a pessoa passa a ter mais chance de sucesso no relacionamento com seus funcionários, no processo de uma empresa e nos desafios de se ter um negócio. Na minha opinião o jovem recém-formado deve primeiro trabalhar como empregado para ver erros e acertos do seu chefe para então se aventurar com o próprio negócio.

  15. Andre Luiz Chagas Lisboa - GEP029 - 14 de March, 2015 @ 12:15 am

    Talvez, atrapalhasse, pois potenciais empreendedores se tornam funcionários em empresas, se acomodam. Acho que não faltou experiência profissional, o que faltou foi foco no estudo de empreendedorismo, administração de empresas e, principalmente no de nicho de mercado e concorrência.

  16. Isadora Palin - MBA USP - 14 de March, 2015 @ 3:12 pm

    Acredito que a experiência em uma empresa não obrigatoriamente irá prepara mais, acredito que não deva ser uma regra, depende muito onde iria trabalhar e quais funções teria. Acredito que caso tivesse oportunidade seria interessante trabalhar em startup, empresas novas ou no início de crescimento para entender a dinâmica inicial. Trabalhei em um restaurante que ia abrir e você comparar o planejado com a prática é ótimo para evitar alguns erros básicos em qualquer setor.
    Porém se já existe uma ideia e essa ideia é uma oportunidade, não acho que deva deixar de implantá-la para vivenciar uma experiência corporativa, até porque muitos projetos quando não realizados em tempo, perdem o momento ideal para investir.

  17. Antonio Carlos Camargo Leite - 14 de March, 2015 @ 7:00 pm

    Penso que se é desejo do jovem empreendedor primeiro adquirir experiência assim o deve fazer e só então após poder confirmar suas certezas deve seguir para o próprio negócio. A vantagem de se iniciar cedo é que tem-se menos a perder e se algo der errado há mais tempo para retomar por outro caminho. Já a vantagem de se começar depois é que já se formou uma bagagem de experiência administrativa e técnica além de se ter também formada uma reserva financeira para suportar as fases sem retorno no negócio a empreender. Assim, acredito que não há regra a ser estipulada, mas nos dois casos o empreendedorismo deve ser motivado e desenvolvido em todas as fases (inclusive corporativamente).
    Antonio Carlos Camargo Leite – MBA Poli PECE 2015

  18. Felipe Pimentel - 14 de March, 2015 @ 7:20 pm

    Entendo que, caso Marcelo tivesse a oportunidade de trabalhar em uma empresa, poderia aprender de forma mais rápida sobre estrutura e clima organizacionais bem como sobre a dinâmica das diversas interfaces que uma empresa estabelecida possui. Concordo que essa falta de conhecimento fez com que ele aprendesse de forma diferente, porém não menos efetiva, por meio de cursos e sua rede de contatos, a qual ele pode se sustentar para escutar experiências alheias (como as do seu pai) e aprender com os erros e acertos dos outros.
    Não vejo como regra a necessidade de ingressar em uma empresa como empregado e depois deixá-la para abrir seu próprio negócio. Se o jovem possui um sonho e determinação suficiente para aprender com cursos, livros e com outras pessoas, pode estruturar um bom plano de negócios e seguir em frente em busca do sucesso.
    As vantagens de se iniciar a carreira empreendedora muito jovem é que o empreendedor possui tempo e disposição para enfrentar as dificuldades e decepções e também mais tempo para poder se estabelecer em um negócio e partir para novos desafios. As desvantagens são a falta de conhecimento profissional e de mercado como também o tamanho da rede de contatos que tende a aumentar com o tempo e com a quantidade de interações que o empreendedor realiza munido dos progressos realizados até então.

  19. Laiana Gamba de Araujo - 14 de March, 2015 @ 8:25 pm

    Não há uma formula certa para isso, mas acredito que é bom adquirir uma experiência antes para que não tome algumas decisões precipitadas e alcance o objetivo mais rápido.
    Porém quanto mais tempo adquirindo essa experiência no trabalho, diminui seu tempo para arriscarem algo novo, pois corre o risco de não dar certo e quanto mais jovem é melhor pelo fato de não ter muito o que perder.

  20. Ricardo Pelicioni - 14 de March, 2015 @ 10:08 pm

    A experiência prévia pode contribuir para a criação de um negócio, porém não pode ser tomada como fator crucial para tal.

    É sabido que o conhecimento na área onde pretende-se empreender é fator determinante para o desempenho adequado (ou desejado) tanto no planejamento quanto na condução de um negócio.

    No entanto, a falta de vivência em ambiente corporativo presenteia jovens com um comportamento livre de “vícios”, os quais poderiam condicioná-los ao conformismo e toli-los do desejo de arriscar e colocar em prática novas ideias, mesmo que de forma empírica – isto por certo iria incitá-los pela busca de informações e suporte adequado (como o de um conselheiro, por exemplo) com o intuito de obter segurança no planejamento e tomada de decisões.

  21. Daniela Jin Hee Kim (MBA USP) - 14 de March, 2015 @ 11:42 pm

    Acredito que a experiência seja um fator de grande importância na criação do próprio negócio, pois isso te dá conhecimento sobre as ferramentas necessárias para o funcionamento do negócio, sobre os concorrentes, mercado, perfil da equipe, os riscos, dentre outros fatores que apenas vivenciando conhece-se. Porém, alguns jovens com experiência na área, como já conhecem os possíveis obstáculos que podem surgir, já não se dispõem a correr o risco de “sofrer” as consequências de suas decisões, e acabam deixando passar o timing de empreender em seu próprio negócio.
    Acho que o jovem empreendedor pode abrir um próprio negócio sem experiência prévia, mas seus riscos de fracasso são muito maiores e podem ser evitados com alguns anos de experiência.

    Daniela Jin Hee Kim (MBA USP)

  22. Juliana Tomaz da Silva - MBA USP- maticula 48271 - 14 de March, 2015 @ 11:55 pm

    Ter um experiência previa ajuda muito. É a oportunidade de aprender, observar, identificar melhorias, conhecer as dificuldades na prática. Um empresário de não foi empregado também pode adquirir esses conhecimentos, entretanto, isso vai implicar em possível perda de recursos e tempo.

  23. josiane - 15 de May, 2016 @ 7:22 am

    Uma pessoa para ensinar precisa primeiro aprender.Ser empregado é uma boa oportunidade para o crescimento e desenvolvimento de uma empresa ,mas não é fato imprescindível,por que uma pessoa estruturada, que gosta do que faz, que busca aprendizagem continua e faz um bom planejamento pode se tornar um empreendedor de sucesso, porém os riscos que correm de quebrar são maiores.

  24. Leonardo Stuart Martinussi - 3 de March, 2017 @ 10:30 pm

    Esta opinião parecer ser unânime entre os três personagens estudados. Os dois que foram empregado concordam que isso contribuiu de forma positiva e o que não foi sente falta deste período.
    Acredito que seja muito proveitoso ter um aprendizado como empregado e sem precisar administrar os riscos que o negócio próprio traz.

Comentário

Dr. José Dornelas

Empreendedor, palestrante e autor de livros best-seller.

[ veja a biografia ]

Meus Livros

Clique em cada livro para saber mais, degustar e comprar.

  • Empreendedorismo - 7ª Edição Revista e Ampliada Empreendedorismo - 7ª edição
    Transformando ideias em negócios. [+]
  • Plano de negócios com o modelo Canvas Introdução ao empreende- dorismo - 1ª edição
    Ludismo, jogos e empoderamento empreendedor. [+]
  • Plano de negócios, seu guia definitivo Plano de negócios, seu guia definitivo - 2ª edição
    Como planejar e criar um negócio de sucesso. [+]
  • Plano de negócios com o modelo Canvas Plano de negócios com o modelo Canvas
    Guia prático de avaliação de ideias a partir de exemplos. [+]
  • Empreendedorismo na Prática Empreendedorismo na prática - 3ª edição
    Mitos e verdades do empreendedor de sucesso. [+]
  • Empreendedorismo corporativoEmpreendedorismo corporativo - 3ª edição
    Como ser empreendedor, inovar e se diferenciar na sua empresa. [+]
  • Meus Outros Livros
Produzido por Webcore